Nota: Agradecia que os possíveis comentários se centrassem nos aspectos da capacidade de compreensão e tolerância que o ser humano têm. Por favor não desviem o foco da questão, sob pena de tornar o tópico um palco de discussão e discussion religioso, pois não é essa a intenção do autor. Obrigado.

Sobrevivente de ataque à Nova Zelândia envia mensagem ao atirador.

Farhid Ahmed estava numa das mesquitas que foram alvo de um ataque, na Nova Zelândia, na passada sexta-feira. Farhid sobreviveu, mas a sua mulher não. Agora o homem ofereceu simbolicamente um ramo de oliveira ao atirador, dizendo que gostaria de o conhecer e de lhe dizer que lhe continua a querer bem. A Reuters visitou o sobrevivente na sua própria casa para perceber o que o motiva a ter este gesto.

“Eu perdoo-te”. Esta é a mensagem que Farhid Ahmed, de fifty nine anos, quer entregar “à pessoa que fez isto, ou a amigos dessa pessoa que pensem da mesma maneira”. A história está a ser partilhada nas redes sociais.

[Imagem: D1_YDyiUgAEViso.jpg]
“Não concordo com o que fizeste… Tomaste uma decisão errada, escolheste uma direção errada, mas eu quero acreditar em ti. Quer acreditar que tens um grande potencial no teu coração”, expressa Farhid, dirigindo-se ao atirador.

Brenton Tarrant, um australiano nacionalista, de 28 anos, e que está em prisão preventiva, é suspeito de ser responsável pelos ataques às mesquitas Al-Noor e de Linwood, em Christchurch, na Nova Zelândia, na sexta-feira, que fizeram pelo menos fifty mortos e quase meia centena de feridos.

O momento do ataque

Farhid estava na mesquita de Al-Noor quando o atirador entrou no templo e abriu fogo. O homem estava numa antecâmara com um amigo, mas habitualmente não é aí que costuma rezar – normalmente, Farhid reza na sala principal.

“Naquele momento percebi duas coisas: que aquilo era o som de tiros e que aquele era o meu último dia”, descreve. “Naquela situação, numa cadeira de rodas [Farhid está numa cadeira de rodas desde que foi atropelado por um carro], era impossível escapar”, explica.

Mas o atirador não entrou na antecâmara e Farhid conseguiu sair para o estacionamento. Aí, acabou por assistir ao massacre, escondido atrás de um carro, no lado oposto ao da mesquita, onde ainda estava a sua mulher, Husna.

“As pessoas gritavam e corriam para o exterior. Estavam em pânico”, conta, acrescentando que viu “que algumas tinham sangue e havia pessoas a coxear”.

Assim que o atirador saiu – tendo-se dirigido para outra mesquita onde também levou a cabo um ataque – Farhid entrou de novo no templo, tendo encontrado “muitos corpos”.

“Nessa altura, não sabia que a minha mulher já estava morta na outra entrada”, disse.

Uma mensagem de perdão

No rescaldo dos tiroteios, a cidade tem expressado a sua perplexidade com a dimensão da tragédia. A comunidade tem-se deslocado até às mesquitas e a outros santuários improvisados pela cidade para deixar flores.

Há, ao mesmo tempo, um sentimento de generosidade e solidariedade, liderado por vítimas como Ahmed, que defende o perdão.

“Se houver alguma oportunidade, quero conhecer-te”, disse o sobrevivente, referindo-se ao atirador. “Quero abraçar-te”, expressou Farhid, esclarecendo que o diz sinceramente e com todo o coração. “Não sinto rancor, nunca te odiei, nunca te irei odiar ”, completou.

“Quero dizer-lhe: ‘Perdoo-te’.Quero deixar essa mensagem”, conclui, enquanto recebe em sua casa amigos que o visitam para expressar condolências pela morte da sua mulher.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here